Enquanto continuava a apoiar a população que sofreu sérios danos com as recentes inundações, o barco hospitalar “Papa Francesco” iniciou as vacinações com as doses fornecidas pelas autoridades locais.
As últimas inundações na região do baixo Amazonas testaram severamente a sobrevivência das comunidades já extremamente vulneráveis e isoladas que vivem ao longo do rio. Em apenas algumas semanas, eles perderam suas casas, inundadas pelas águas, e seus barcos e redes de pesca, ferramentas essenciais para seu sustento.
É por isso que o projeto de cuidado e prevenção para os ribeirinhos, assim que as águas começaram a baixar, também acompanhou a população no árduo trabalho de limpeza e restauração de suas casas e poços para água potável. Duas condições fundamentais para o retorno dos ribeirinhos às suas casas.
Aguinaldo – um diácono casado e líder de uma das comunidades da região – nos contou como sua área foi muito afetada pelas enchentes. Muitos, como ele, perderam suas casas, seus animais e os pequenos barcos e redes que precisavam para a pesca.
Com as contribuições da campanha, foi possível chegar às famílias da comunidade com alimentos e suprimentos de emergência: roupas, medicamentos e produtos para purificar a água e torná-la potável. Além disso, várias redes foram recompradas para que possam retomar seu trabalho.
Hoje, o navio hospitalar, juntamente com o pessoal do SUS (Sistema Único de Saúde) que fornece as vacinas, o município e com o apoio das igrejas que disponibilizaram suas instalações, começou a imunizar estas comunidades, geralmente isoladas e não alcançadas pela saúde pública, contra a COVID19.
Além das missões de administrar vacinas, as doações recebidas apóiam a distribuição de alimentos e gêneros de primeira necessidade às famílias necessitadas, dispositivos para prevenir o vírus e medicamentos, e a assistência de profissionais de saúde (que, por exemplo, oferecem cursos de reabilitação respiratória) para apoiar a reabilitação daqueles que tiveram a doença.